quarta-feira, 26 de agosto de 2009

HOMEM AO MAR

Homem ao mar, homem ao mar, homem ao mar por estibordo, recolha por semi rígida. Estava assim dado inicio a mais um exercício de treino e adestramento da guarnição para este tipo de situação.

Após ser dado o alarme, a equipa de quarto para esta operação entra em acção, pois todos os segundos são importantes, e se for em águas com temperaturas baixas o tempo de sobrevivência do naufrago diminui significativamente.

Depois de colocada na água, a embarcação desloca-se a toda a velocidade rumo ao naufrago, que se mantém á superfície, emitindo sons e fazendo gestos para ser detectado.

A equipa de salvamento chega junto do naufrago e inicia as manobras para que a sua recolha seja efectuada em segurança.

Depois de agarrado o naufrago é tempo de o içar para a embarcação com o máximo cuidado para não causar lesões, ao mesmo tempo vai sendo mantido o dialogo com a vitima para que a mesma sinta que está segurança.

Quando chega á embarcação o naufrago é assistido por um socorrista que faz parte da tripulação.

Por fim a embarcação é içada para bordo, e o naufrago transferido para a enfermaria onde o corpo clínico o espera. Desde que foi dado o alarme, até o naufrago chegar a bordo passaram 07 minutos. De salientar ainda que a recolha do naufrago poderá também ser efectuada por mergulhador ou por helicóptero, mas falaremos delas noutro post.

Fotos: Carlos Dias (SPRS)

3 comentários:

Maria Jose disse...

Para nós que estamos separados dos nossos filhos, é muito importante termos este blog, porque de certa maneira o estarmos em contacto, vermos um pouco do Vosso dia a dia, faz com que esteja-mos mais perto de vós,e perceber melhor o que é a Vossa vida de Marinha, e no fundo aprendemos sempre mais qualquer coisa.
Bem haja e que continuem com este trabalho fantástico. Parabéns.

Maria Jose disse...

Como agradecimento do Vosso trabalho e para matar saudades do Vosso país nada melhor do que torta de Azeitão feita por mim.
Se Deus quizer irei estar convosco no dia 2 e levarei a torta.
Cumprimentos

Alexandre Correia disse...

Olá Sailors!

Cair ao mar em pleno oceano é, realmente, uma coisa assustadora, tanto mais que primeiro que um navio consiga parar e manobrar para voltar atrás, o risco de perder-se o contacto com o homem no mar deve ser enorme. Numa fragata como essa, o helicóptero pode ajudar a encontrar alguém perdido, mas é confortável saber que em apenas sete minutos conseguiram resgatar o acidentado e regressar a bordo com toda a gente sã e salva. Aprendi mais alguma coisa neste blog. Obrigado!

Um abraço,

Alexandre Correia